.

.

quarta-feira, 16 de maio de 2012



IMG: Busca Goocle



          VIDA DE EDITOR
-Jesus, menina,como é que você que tem uma vida tão tranquila se meteu com esta josta de editora?
Quer criar um inferno ,aqui,quer? Não basta aquele que com certeza você foi escalada e virá após a morte ,pois,lá no céu não gostam de irreverentes nem questionadores ,como você?!

Pois é,eu poderia ter seguido o conselho deste bom amigo e ficar apenas  blogando,escrevendo para sites e publicando livros.
Eu podia,como diria Mestre Raul,o Seixas,ficar satisfeita com meu salário mensal e até comprar um Corcel /73,se ainda encontrasse algum em bom estado.
Mas,procurando sarna pra me coçar, resolvi editar livros,meus e dos outros.Uns corajosos,como meu amigo Cacá ,lá das Minas Gerais  e uns outros que seguiram esse caminho da confiança e da esperança; esperança de receber livros bem feitos, bem editorados,sem borrões,  cujas páginas não soltassem e a tinta não manchasse os dedos.
Por se tratar de uma editora baiana,cuja dona é uma baiana  quase setentona,muita gente torceu o nariz.
-Que nada,coisa boa só vem do sudeste.
Alguns,agora,estão torcendo as mãos de desespero,depois que receberam seus livros.
O caso é que nem todos   têm tempo,temperamento ou paciência para ter uma editora; é quase um trabalho monástico, de doação, que ocupa cerca de doze horas do seu dia.
Pois,parir um livro é um parto difícil;e,no Brasil,além de difícil, caro e arriscado.
Primeiro a gente tem que conquistar a confiança do autor,principalmente,no caso das editoras como a minha que recebem dinheiro dos autores para publicar seus livros.
Recebido o dinheiro e o arquivo,começa a gestação.
O livro precisa ser,não apenas revisado,mas,copidescado,diagramado  e  precisa ter uma capa.
Daí,temos que escolher uma gráfica, onde começa nosso calvário,sem direito a verônicas nem cireneus.
Gráficas começam a ser o caminho onde todo editor se enlameia .Sempre digo que o problema do escritor é a gráfica e o problema da gráfica é a editoração.É lá que as palavras se perdem,os arquivos viram de ponta cabeça e o capítulo 17 se para junto ao 64 que contém um finalzinho que deveria estar no capítulo 84.
Duvida,cara pálida?
Pois aconteceu comigo.E, se eu não fosse essa neurótica que lê tudo,olha tudo e fiscaliza tudo, a vaca teria ido direitinho para o brejo.
E a reputação da editora ia junto.
Eu até mudei os versos do poeta :
Vigiai,diz Salomão
 noite e dia a editoração.
Pois é dela que nos vem,
Todo mal e todo bem.
Para parir um livro temos três tipos de parto:
O Normal:
Recebe-se o arquivo,o autor paga, a gente encaminha para a  a diagramação ,para o capista,o autor aprova,céu de brigadeiro.
Na gráfica,tudo perfeito. A “boneca” veio correta, o autor aprovou,o livro vai para a gráfica e sai legal.
Deo gratias!
O parto demorado é aquele que o bebê livro fica atravessado:atravessa a diagramação, a capa é trocada várias vezes por desejo do autor,muda-se a cor , troca-se a orelha, a boneca vem cheia de erros ,volta,torna a voltar,depois de tudo pronto o autor quer mudar ou tirar alguma coisa,volta tudo á estaca zero,enfim,o livro é impresso.
Aleluia!
O parto cesariano ou de fórceps é aquele que tudo dá errado;revisão com erros,diagramação modificada várias vezes,diagramador exausto ,editor arrancando os cabelos,prazos vencidos, capa não aprovada e até o bendito código de barras que vem pronto junto com o ISBN,questionado pelo analista.
Sobrevivendo a ameaça de infarto ,o editor liga  para os responsáveis,pra gráfica e solta os cachorros.

A gráfica manda de volta o arquivo.Errado; vamos questionar o diagramador que prova a você que enviou certo.
Vade retro,Satanás!
Nesta altura,vendo tudo vermelho,você entra na sua salinha secreta e faz meditação zen.
Só lhe resta rezar para o santo protetor dos editores (se é que existe algum besta que queira assumir esta função) e pedir para o resto correr bem.
Enfim, o livro chega certinho,lindo,cheiroso,colorido, pronto para as livrarias.
E, aí começa  outra parte da novela,vender o livro.
Ainda quer virar editor, cara pálida?
Um dia ainda chuto  o pau da barraca,pego num fuzil e vou pro Afeganistão.
É bem mais tranquilo.

2 comentários:

Revisão de textos disse...

Revisão com erros filha de parto cesariano?
"Diga-me com quem revisas e eu te direi quem és"
Rsrsrsrs.
Sucesso, Editora Preferida.
Bjs.

jose claudio disse...

Uai, amiga! Que que deu aí? hahahahaha!

É, não é moleza mesmo não! Mas você aguenta o tranco com a suavidade que os anos de estrada lhe ansinaram.

Abração e sucesso.